Novo

Por que os bocejos são contagiosos?

Por que os bocejos são contagiosos?


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Toda pessoa boceja. O mesmo acontece com muitos outros animais vertebrados, incluindo cobras, cães, gatos, tubarões e chimpanzés. Enquanto o bocejo é contagioso, nem todo mundo dá um bocejo. Cerca de 60 a 70% das pessoas bocejam se vêem outra pessoa bocejando na vida real ou em uma foto ou mesmo lendo sobre bocejar. O bocejo contagioso também ocorre em animais, mas não necessariamente funciona da mesma maneira que nas pessoas. Os cientistas propuseram muitas teorias sobre por que capturamos bocejos. Aqui estão algumas das principais idéias:

Bocejo Sinais Empatia

Provavelmente, a teoria mais popular do bocejo contagioso é que o bocejo serve como uma forma de comunicação não-verbal. Capturar um bocejo mostra que você está sintonizado com as emoções de uma pessoa. A evidência científica vem de um estudo de 2010 da Universidade de Connecticut, que concluiu que o bocejo não se torna contagioso até que uma criança tenha cerca de quatro anos de idade, quando as habilidades de empatia se desenvolvem. No estudo, crianças com autismo, que podem ter prejudicado o desenvolvimento da empatia, capturam bocejos com menos frequência do que seus pares. Um estudo de 2015 abordou o bocejo contagioso em adultos. Neste estudo, os estudantes universitários foram submetidos a testes de personalidade e solicitados a visualizar videoclipes de rostos, que incluíam bocejar. Os resultados indicaram que estudantes com menor empatia eram menos propensos a pegar bocejos. Outros estudos identificaram uma correlação entre bocejo contagioso diminuído e esquizofrenia, outra condição ligada à empatia reduzida.

Relação entre bocejo contagioso e idade

No entanto, o vínculo entre bocejo e empatia é inconclusivo. Uma pesquisa no Duke Center for Human Genome Variation, publicada na revista PLOS ONE, buscou definir os fatores que contribuem para o bocejo contagioso. No estudo, 328 voluntários saudáveis ​​receberam uma pesquisa que incluiu medidas de sonolência, níveis de energia e empatia. Os participantes da pesquisa assistiram a um vídeo de pessoas bocejando e contaram quantas vezes bocejaram enquanto assistiam. Enquanto a maioria das pessoas bocejou, nem todos o fizeram. Dos 328 participantes, 222 bocejaram pelo menos uma vez. Repetir o teste de vídeo várias vezes revelou que uma determinada pessoa boceja contagiosamente é uma característica estável.

O estudo de Duke não encontrou correlação entre empatia, hora do dia ou inteligência e bocejo contagioso, mas houve correlação estatística entre idade e bocejo. Participantes mais velhos eram menos propensos a bocejar. No entanto, como o bocejo relacionado à idade representou apenas 8% das respostas, os pesquisadores pretendem procurar uma base genética para o bocejo contagioso.

Bocejo contagioso em animais

O estudo de bocejos contagiosos em outros animais pode fornecer pistas sobre como as pessoas capturam bocejos.

Um estudo realizado no Instituto de Pesquisa Primate da Universidade de Kyoto, no Japão, examinou como os chimpanzés respondem ao bocejo. Os resultados, publicados no The Royal Society Biology Letters, indicaram dois dos seis chimpanzés no estudo claramente bocejando contagiosamente em resposta a vídeos de outros chimpanzés bocejando. Três chimpanzés no estudo não capturaram bocejos, indicando que jovens chimpanzés, como crianças humanas, podem não ter o desenvolvimento intelectual necessário para capturá-los. Outra descoberta interessante do estudo foi que os chimpanzés só bocejavam em resposta a vídeos de bocejos reais, não a vídeos de chimpanzés abrindo a boca.

Um estudo da Universidade de Londres descobriu que os cães podem capturar bocejos de seres humanos. No estudo, 21 dos 29 cães bocejaram quando uma pessoa bocejou na frente deles, mas não responderam quando o humano simplesmente abriu a boca. Os resultados sustentaram uma correlação entre idade e bocejo contagioso, pois apenas cães com mais de sete meses foram suscetíveis à captura de bocejos. Os cães não são os únicos animais de estimação conhecidos por capturar bocejos de humanos. Embora menos comuns, sabe-se que os gatos bocejam depois de ver pessoas bocejando.

O bocejo contagioso em animais pode servir como um meio de comunicação. Os peixes-lutadores-siameses bocejam quando vêem sua imagem no espelho ou outro peixe-lutador, geralmente pouco antes de um ataque. Isso pode ser um comportamento de ameaça ou servir para oxigenar os tecidos do peixe antes do esforço. Os pingüins Adelie e imperador bocejam um para o outro como parte de seu ritual de namoro.

O bocejo contagioso está ligado à temperatura, tanto em animais quanto em pessoas. A maioria dos cientistas especula que é um comportamento termorregulador, enquanto alguns pesquisadores acreditam que ele é usado para comunicar uma ameaça potencial ou situação estressante. Um estudo de 2010 de periquitos descobriu que o bocejo aumentava à medida que a temperatura era aumentada perto da temperatura corporal.

As pessoas geralmente bocejam quando estão cansadas ou entediadas. Comportamento semelhante é visto em animais. Um estudo descobriu que a temperatura do cérebro em ratos privados de sono era mais alta que a temperatura central. Bocejar reduziu a temperatura do cérebro, possivelmente melhorando a função cerebral. Bocejar contagioso pode atuar como um comportamento social, comunicando um tempo para um grupo descansar.

A linha inferior

O ponto principal é que os cientistas não sabem ao certo por que ocorre um bocejo contagioso. Tem sido associada à empatia, idade e temperatura, mas a razão subjacente não é bem compreendida. Nem todo mundo pega bocejos. Aqueles que não o fazem podem simplesmente ser jovens, idosos ou geneticamente predispostos a não bocejar, sem necessariamente sentir falta de empatia.

Referências e leituras recomendadas

  • Anderson, James R.; Meno, Pauline (2003). "Influências psicológicas no bocejo em crianças". Cartas atuais de psicologia. 2 (11).
  • Gallup, Andrew C .; Gallup (2007). "Bocejar como mecanismo de resfriamento do cérebro: a respiração nasal e o resfriamento da testa diminuem a incidência de bocejo contagioso". Psicologia evolucionária. 5 (1): 92-101.
  • Pastor, Alex J .; Senju, Atsushi; Joly-Mascheroni, Ramiro M. (2008). "Cães capturam bocejos humanos". Letras De Biologia. 4 (5): 446-8.


Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos