Vida

Biografia de Zack de la Rocha

Biografia de Zack de la Rocha


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

A cena musical dos anos 90 foi única, pois os dois gêneros que dominavam as paradas - rock alternativo e rap - pareciam ter pouco em comum. Mas essa percepção mudaria em 1991, quando um chicano de Los Angeles chamado Zack de la Rocha fundiu as duas formas de arte na roupa de rap-rock Rage Against the Machine. Influenciado por bandas punk como Minor Threat e grupos de rap militantes como Public Enemy, de la Rocha fez rimas irritadas sobre injustiça social sobre riffs de heavy metal como vocalista do grupo. Sua biografia revela como as experiências pessoais com a discriminação levaram De la Rocha a escrever raps que desafiavam o racismo e a desigualdade.

Primeiros anos

Zack de la Rocha nasceu em 12 de janeiro de 1970, em Long Beach, Califórnia, com os pais Roberto e Olivia. Como seus pais se separaram quando ele era muito pequeno, de la Rocha inicialmente dividiu seu tempo entre seu pai mexicano-americano, um muralista do grupo "Los Four", e sua mãe irlandesa-alemã, candidata a doutorado na Universidade da Califórnia. Irvine. Depois que seu pai começou a exibir sinais de doença mental, destruindo obras de arte e orando e jejuando sem parar, Zack de la Rocha viveu exclusivamente com sua mãe em Irvine. Na década de 1970, o subúrbio de Orange County era quase todo branco.

Irvine era o oposto polar de Lincoln Heights, a comunidade predominantemente mexicana-americana de Los Angeles que o pai de de la Rocha chamava de lar. Por causa de sua herança hispânica, de la Rocha sentiu-se alienado racialmente no Condado de Orange. Ele dissePedra rolando revista em 1999, como ele se sentiu humilhado quando seu professor usou o termo racialmente ofensivo "wetback" e seus colegas de classe caíram na gargalhada.

"Lembro-me de estar sentado, prestes a explodir", disse ele. “Eu percebi que não era dessas pessoas. Eles não eram meus amigos. E eu me lembro de internalizá-lo, como fiquei silencioso. Lembro como estava com medo de dizer alguma coisa.

Daquele dia em diante, de la Rocha prometeu nunca mais ficar calado diante da ignorância.

De dentro para fora

Depois de supostamente se envolver em drogas por um período, de la Rocha se tornou um elemento fixo na cena punk de ponta-a-ponta. No colegial, ele formou a banda Hard Stance, atuando como vocalista e guitarrista do grupo. Depois disso, de la Rocha lançou a banda Inside Out em 1988. Assinado pelo selo Revelation Records, o grupo lançou um EP chamado Não há rendição espiritual. Apesar de algum sucesso na indústria, o guitarrista do grupo decidiu sair e Inside Out se desfez em 1991.

Raiva contra a máquina

Depois que Inside Out terminou, de la Rocha começou a explorar hip-hop, rap e break-dance em clubes. Quando o guitarrista Tom Morello, educado em Harvard, viu de la Rocha realizando um rap freestyle em um clube, ele abordou o novo MC depois. Os dois homens descobriram que ambos defendiam ideologias políticas radicais e decidiram compartilhar seus pontos de vista com o mundo através da música. No outono de 1991, eles formaram a banda de rap rock Rage Against the Machine, em homenagem a uma música Inside Out. Além de De la Rocha nos vocais e Morello na guitarra, a banda incluiu Brad Wilk na bateria e Tim Commerford, um amigo de infância de la Rocha no baixo.

A banda logo desenvolveu uma sequência na cena musical de Los Angeles. Apenas um ano após a formação do RATM, a banda lançou um álbum auto-intitulado pela influente gravadora Epic Records. Enquanto promovia o álbum em 1992, de la Rocha explicou ao Los Angeles Times sua missão para o grupo.

"Eu queria pensar em algo metaforicamente que descrevesse minhas frustrações em relação à América, em relação a esse sistema capitalista e como ele escravizou e explorou e criou uma situação muito injusta para muita gente", disse ele.

A mensagem ressoou com o público. O álbum ganhou três discos de platina. Incluía referências a Malcolm X, Martin Luther King, apartheid sul-africano, um currículo educacional eurocêntrico, Fand outras questões sociais. O segundo álbum da banda Império do mal, uma referência ao discurso de Ronald Reagan sobre a Guerra Fria, tocou a herança hispânica de de la Rocha com músicas como "People of the Sun", "Down Rodeo" e "Without a Face". Império do mal também alcançou o status triplo de platina. Os dois últimos álbuns da banda, o Batalha de Los Angeles (1999) e Renegados (2000), foram platina dupla e platina, respectivamente.

Embora Rage Against the Machine tenha sido, sem dúvida, uma das bandas mais influentes da década de 1990, de la Rocha decidiu deixar a banda em outubro de 2000. Ele citou diferenças criativas, mas enfatizou que estava satisfeito com o que a banda havia realizado.

"Estou extremamente orgulhoso do nosso trabalho, tanto como ativistas quanto músicos, bem como grato a todas as pessoas que expressaram solidariedade e compartilharam essa incrível experiência conosco", disse ele em comunicado.

Um novo capítulo

Quase sete anos após o término, os fãs do Rage Against the Machine receberam algumas notícias há muito esperadas: a banda estava se reunindo. O grupo se apresentou no Festival de Música e Artes Coachella Valley, em Indio, Califórnia, em abril de 2007. O motivo da reunião? A banda disse que se sentiu obrigada a falar à luz das políticas do governo Bush que consideravam intoleráveis.

Desde a reunião, a banda ainda não lançou mais álbuns. Os membros estão envolvidos em projetos independentes. De la Rocha, por exemplo, se apresenta no grupo One Day as a Lion com o ex-membro de Mars Volta Jon Theodore. A banda lançou um EP auto-intitulado em 2008 e se apresentou no Coachella em 2011.

O músico-ativista de la Rocha também lançou uma organização chamada Sound Strike em 2010. A organização incentiva os músicos a boicotar o Arizona à luz da controversa legislação do estado que visa imigrantes indocumentados. Em uma matéria do Huffington Post, de la Rocha e Salvador Reza disseram sobre a greve:

“O impacto humano do que está acontecendo com os imigrantes e suas famílias no Arizona questiona os mesmos imperativos morais e éticos que o movimento pelos direitos civis. Somos todos iguais perante a lei? Até que ponto os estados e policiais locais podem se envolver em violações dos direitos humanos e civis contra um grupo étnico que foi completamente difamado aos olhos da maioria política branca? ”


Assista o vídeo: ZACK DE LA ROCHA. Para Sempre RATM #3 (Dezembro 2022).

Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos