Novo

Gabriel García Márquez: escritor de realismo mágico

Gabriel García Márquez: escritor de realismo mágico


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Gabriel García Márquez (1927 a 2014) foi um escritor colombiano, associado ao gênero de ficção narrativa de realismo mágico e creditado ao revigoramento da escrita latino-americana. Ele ganhou o prêmio Nobel de literatura em 1982, por um corpo de trabalho que incluía romances como "100 Anos de Solidão" e "Amor no tempo da cólera".

Fatos rápidos: Gabriel García Márquez

  • Nome completo: Gabriel José da Concórdia García Márquez
  • Também conhecido como: Gabo
  • Nascermos: 6 de março de 1927, em Aracataca, Colômbia
  • Morreu: 17 de abril de 2014, na Cidade do México, México
  • Cônjuge: Mercedes Barcha Pardo, m. 1958
  • Crianças: Rodrigo, b. 1959 e Gonzalo, b. 1962
  • Trabalhos mais conhecidos: 100 anos de solidão, crônica de uma morte predita, amor no tempo da cólera
  • Principais realizações: Prêmio Nobel de Literatura, 1982, principal escritor de realismo mágico
  • Citar: "A realidade também é os mitos das pessoas comuns. Percebi que a realidade não é apenas a polícia que mata pessoas, mas também tudo o que faz parte da vida das pessoas comuns".

O realismo mágico é um tipo de ficção narrativa que combina uma imagem realista da vida cotidiana com elementos fantásticos. Os fantasmas andam entre nós, dizem seus praticantes: García Márquez escreveu sobre esses elementos com um senso de humor irônico e um estilo de prosa honesto e inconfundível.

Primeiros anos

Gabriel José da Concórdia García Márquez (conhecido como "Gabo") nasceu em 6 de março de 1927, na cidade de Aracataca, Colômbia, perto da costa do Caribe. Ele era o mais velho de 12 filhos; seu pai era funcionário dos correios, operador de telégrafo e farmacêutico itinerante; quando García Márquez tinha 8 anos, seus pais se mudaram para que seu pai pudesse encontrar um emprego. García Márquez foi deixado para ser criado em uma grande casa em ruínas por seus avós maternos. Seu avô Nicolas Márquez Mejia foi um ativista liberal e coronel durante a Guerra dos Mil Dias da Colômbia; sua avó acreditava em magia e encheu a cabeça do neto de superstições e contos populares, fantasmas e espíritos dançantes.

Em uma entrevista publicada em O Atlantico em 1973, García Márquez disse que sempre foi escritor. Certamente, todos os elementos de sua juventude estavam entrelaçados na ficção de García Márquez, uma mistura de história, mistério e política que o poeta mexicano Pablo Neruda comparou ao "Don Quixote" de Cervantes.

Escrevendo Carreira

García Márquez foi educado em uma faculdade jesuíta e, em 1946, começou a estudar direito na Universidade Nacional de Bogotá. Quando o editor da revista liberal "El Espectador" escreveu um artigo afirmando que a Colômbia não tinha jovens escritores talentosos, García Márquez enviou a ele uma seleção de contos, publicados pelo editor como "Olhos de um cão azul".

Uma breve explosão de sucesso foi interrompida pelo assassinato do presidente da Colômbia, Jorge Eliecer Gaitan. No caos seguinte, García Márquez partiu para se tornar jornalista e repórter investigativo na região do Caribe, um papel que nunca desistiria.

Exílio da Colômbia

Em 1954, García Márquez publicou uma notícia sobre um marinheiro que sobreviveu ao naufrágio de um destróier da Marinha colombiana. Embora o naufrágio tenha sido atribuído a uma tempestade, o marinheiro relatou que o contrabando ilegal dos EUA, mal guardado, se soltou e derrubou oito tripulantes ao mar. O escândalo resultante levou ao exílio de García Márquez na Europa, onde continuou escrevendo contos, notícias e reportagens de revistas.

Em 1955, seu primeiro romance, "Leafstorm" (La Hojarasca) foi publicado: havia sido escrito sete anos antes, mas ele não conseguiu encontrar um editor até então.

Casamento e Família

García Márquez casou-se com Mercedes Barcha Pardo em 1958 e tiveram dois filhos: Rodrigo, nascido em 1959, atualmente diretor de televisão e cinema nos EUA, e Gonzalo, nascido na Cidade do México em 1962, atualmente designer gráfico.

"Cem anos de solidão" (1967)

García Márquez teve a idéia de seu trabalho mais famoso enquanto dirigia da Cidade do México para Acapulco. Para escrevê-lo, ele se escondeu por 18 meses, enquanto sua família se endividou em US $ 12.000, mas no final ele tinha 1.300 páginas de manuscrito. A primeira edição em espanhol esgotou em uma semana e, nos próximos 30 anos, vendeu mais de 25 milhões de cópias e foi traduzida para mais de 30 idiomas.

O enredo se passa em Macondo, uma cidade baseada em sua cidade natal, Aracataca, e sua saga segue cinco gerações de descendentes de José Arcadio Buendía e sua esposa Ursula, e a cidade que eles fundaram. José Arcadio Buendía é baseado no avô de García Márquez. Os eventos da história incluem uma praga de insônia, fantasmas que envelhecem, um padre que levita quando bebe chocolate quente, uma mulher que sobe ao céu enquanto lava a roupa e chuva que dura quatro anos, 11 semanas e dois dias.

Em uma revisão de 1970 da versão em inglês, Robert Keily, do The New York Times, disse que era um romance "tão cheio de humor, detalhes ricos e distorções surpreendentes que traz à mente o melhor de William Faulkner e Günter Grass".

Este livro é tão conhecido que até Oprah o colocou em sua lista de livros de leitura obrigatória.

Ativismo político

García Márquez foi um exilado da Colômbia durante a maior parte de sua vida adulta, principalmente autoimposta, como resultado de sua raiva e frustração pela violência que estava tomando conta de seu país. Foi socialista ao longo da vida e amigo de Fidel Castro: escreveu para o La Prensa em Havana e sempre manteve laços pessoais com o partido comunista na Colômbia, mesmo que nunca tenha se juntado como membro. Um jornal venezuelano o enviou por trás da cortina de ferro para os Estados dos Balcãs, e ele descobriu que longe de uma vida comunista ideal, o povo da Europa Oriental vivia aterrorizado.

Ele recebeu repetidamente vistos de turista para os Estados Unidos por causa de suas inclinações esquerdistas, mas foi criticado por ativistas em casa por não se comprometer totalmente com o comunismo. Sua primeira visita aos EUA foi resultado de um convite do presidente Bill Clinton para Martha's Vineyard.

Novelas posteriores

Em 1975, o ditador Augustin Pinochet chegou ao poder no Chile, e García Márquez jurou que nunca escreveria outro romance até que Pinochet se fosse. Pinochet permaneceria no poder por 17 anos cansativos e, em 1981, García Márquez percebeu que estava permitindo que Pinochet o censurasse.

"Crônica de uma morte predita" foi publicada em 1981, recontando um assassinato horrível de um de seus amigos de infância. O protagonista, um filho "alegre, pacífico e de coração aberto" de um comerciante rico, é morto a tiros; a cidade inteira sabe com antecedência e não pode (ou não vai) impedi-la, mesmo que a cidade não pense que ele é culpado do crime pelo qual foi acusado: uma praga de incapacidade de agir.

Em 1986, foi publicado "Love in the Time of Cholera", uma narrativa romântica de dois amantes que se conhecem, mas não se conectam há mais de 50 anos. A cólera no título refere-se à doença e à raiva levadas ao extremo da guerra. Thomas Pynchon, revisando o livro no New York Times, exaltou "o balanço e a translucidez da escrita, sua gíria e seu classicismo, os trechos líricos e os zingers de fim de frase".

Morte e Legado

Em 1999, Gabriel García Márquez foi diagnosticado com linfoma, mas continuou a escrever até 2004, quando críticas de "Memórias de minhas putas melancólicas" foram misturadas - foi banido no Irã. Depois disso, ele afundou lentamente em demência, morrendo na Cidade do México em 17 de abril de 2014.

Além de suas inesquecíveis obras em prosa, García Márquez chamou a atenção mundial para o cenário literário latino-americano, criou uma Escola Internacional de Cinema perto de Havana e uma escola de jornalismo na costa do Caribe.

Publicações Notáveis

  • 1947: "Olhos de um cachorro azul"
  • 1955: "Tempestade de folhas", uma família está de luto pelo enterro de um médico cujo passado secreto faz toda a cidade querer humilhar o cadáver
  • 1958: "Ninguém escreve para o coronel", um oficial do exército aposentado inicia uma tentativa aparentemente fútil de obter sua pensão militar
  • 1962: "In Evil Hour", ambientado durante o La Violencia, um período violento na Colômbia entre o final da década de 1940 e o início da década de 1950
  • 1967: "Cem anos de solidão"
  • 1970: "A história de um marinheiro naufragado", uma compilação de artigos sobre escândalos de naufrágios
  • 1975: "Outono do Patriarca", um ditador governa por dois séculos, uma acusação de todos os ditadores que atormentam a América Latina
  • 1981: "Crônica de uma morte predita"
  • 1986: "O amor no tempo da cólera"
  • 1989: "O General no Labirinto", conta os últimos anos do herói revolucionário Simon Bolivar
  • 1994: "Love and Other Demons", uma cidade costeira inteira entra em loucura comunitária
  • 1996: "Notícias de um sequestro", relatório de não-ficção sobre o cartel de drogas de Colômbia em Medellín
  • 2004: "Memories of My Melancholy Whores", história do caso de um jornalista de 90 anos com uma prostituta de 14 anos

Fontes

  • Del Barco, Mandalit. "O escritor Gabriel Garcia Marquez, que deu voz à América Latina, morre." National Public Radio 17 de abril de 2014. Impressão.
  • Melhor, Ashley. "As origens do realismo mágico de Gabriel Garcia Marquez." O Atlantico 17 de abril de 2014. Impressão.
  • Kandell, Jonathan. "Gabriel García Márquez, Conjurador de Magia Literária, morre aos 87 anos." O jornal New York Times 17 de abril de 2014. Impressão.
  • Kennedy, William. "O bonde amarelo em Barcelona e outras visões." O Atlantico Janeiro de 1973. Print.
  • Kiely, Robert. "Memória e profecia, ilusão e realidade são misturadas e feitas com a mesma aparência." The New York 8 de março de 1970. Print.Vezes
  • Pynchon, Thomas. "O voto eterno do coração." O jornal New York Times 1988: 10 de abril. Print.
  • Vargas Llosa, Mario. García Márquez: História do Un Deicidio. Barcelona-Caracas: Monte Avila Editores, 1971. Print.



Comentários:

  1. Samujinn

    a frase muito engraçada

  2. Agustin

    É improvável.

  3. Murn

    Há algo nisso. Obrigado por sua ajuda com este problema. Todo engenhoso é simples.

  4. Hlisa

    É interessante. Não me diga onde posso encontrar mais informações sobre este tópico?

  5. Jess

    Em vez disso, os críticos recomendam a solução para o problema.



Escreve uma mensagem

Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos