Interessante

Resumo de 'Hamlet'

Resumo de 'Hamlet'


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

A peça de William Shakespeare Aldeia ocorre em Elsinore, Dinamarca, após a morte do rei Hamlet. A tragédia conta a história da luta moral do príncipe Hamlet, depois que o fantasma de seu pai lhe diz que Cláudio, tio do príncipe Hamlet, assassinou o rei.

Ato I

A peça começa em uma noite fria com a troca da guarda. O rei Hamlet morreu e seu irmão Cláudio assumiu o trono. No entanto, nas duas últimas noites, os guardas (Francisco e Bernardo) viram um fantasma inquieto parecido com o velho rei vagando pelos terrenos do castelo. Eles informam o amigo de Hamlet, Horácio, sobre o que viram.

Na manhã seguinte, acontece o casamento de Cláudio e Gertrude, esposa do falecido rei. Quando a sala limpa, Hamlet soliloquize seu desgosto pela união deles, que ele vê como uma traição ao pai na melhor das hipóteses e, na pior, incesto. Horatio e os guardas entram e dizem a Hamlet para encontrar o fantasma naquela noite.

Enquanto isso, Laertes, filho do conselheiro do rei Polonius, está se preparando para a escola. Ele se despede de sua irmã Ophelia, que está romanticamente interessada em Hamlet. Polonius entra e dá palestras extensivamente sobre como se comportar na escola. Pai e filho avisam Ofélia sobre Hamlet; em resposta, Ophelia promete não vê-lo mais.

Naquela noite, Hamlet conhece o fantasma, que afirma ser o fantasma do pai do rei-Hamlet. O fantasma diz que ele foi assassinado por Cláudio, que Cláudio colocou veneno em seu ouvido enquanto dormia, e que Gertrude dormiu com Cláudio mesmo antes de sua morte. O fantasma ordena que Hamlet vingue o assassinato, mas não castigue sua mãe. Hamlet concorda. Mais tarde, ele informa Horatio e Marcellus, um dos guardas, que ele fingirá estar louco até conseguir sua vingança.

Ato II

Polônio envia um espião, Reynaldo, à França para ficar de olho em Laertes. Ophelia entra e diz a Polonius que Hamlet entrou em seu quarto em um estado louco, agarrando seus pulsos e olhando loucamente em seus olhos. Ela também acrescenta que cortou todo contato com Hamlet. Polônio, certo de que Hamlet está loucamente apaixonado por Ofélia e de que foi a rejeição de Ofélia que o colocou nesse estado, decide encontrar o rei para inventar um plano de espionar Hamlet em conversa com Ofélia. Enquanto isso, Gertrude pediu aos amigos da escola de Hamlet, Rosencrantz e Guildenstern, que tentassem descobrir a causa de sua loucura. Hamlet desconfia deles, e ele foge das perguntas deles.

Logo, uma tropa de teatro chega, e Hamlet pede que na noite seguinte eles realizem uma certa peça, O assassinato de Gonzago, com algumas passagens inseridas escritas por Hamlet. Sozinho no palco, Hamlet expressa sua frustração por sua própria indecisão. Ele decide que deve descobrir se o fantasma é realmente seu pai ou se é um espectro que o leva a pecar sem razão. Como a peça retrata um rei que mata seu irmão e se casa com sua cunhada, Hamlet acredita que a apresentação programada para a noite seguinte fará com que Cláudio mostre sua culpa.

Ato III

Polônio e Cláudio espionam Hamlet e Ofélia enquanto ela devolve os presentes que ele lhe deu. Eles ficam confusos quando Hamlet a rejeita, dizendo-lhe para ir a um convento. Cláudio conclui que a causa da loucura de Hamlet não é seu amor por Ofélia, e decide que ele deve enviar Hamlet para a Inglaterra, a menos que Gertrude possa descobrir a verdadeira causa.

Durante a execução de O assassinato de GonzagoCláudio interrompe a ação logo após a cena em que o veneno é derramado no ouvido do rei. Hamlet diz a Horatio que agora ele tem certeza de que Cláudio matou seu pai.

Na cena seguinte, Cláudio tenta orar na igreja, mas sua culpa o impede de fazê-lo. Hamlet entra e se prepara para matar Cláudio, mas para quando percebe que Cláudio pode ir para o céu se for morto enquanto ora.

Gertrude e Hamlet têm uma briga amarga em seu quarto. Quando Hamlet ouve um barulho atrás da tapeçaria, esfaqueia o intruso: é Polonius quem morre. O fantasma aparece novamente, repreendendo Hamlet por suas duras palavras contra sua mãe. Gertrude, que não pode ver o fantasma, tem certeza de que Hamlet está louco. Hamlet arrasta o corpo de Polonius para fora do palco.

Ato IV

Hamlet brinca com Cláudio sobre matar Polônio; Cláudio, temendo por sua própria vida, ordena que Rosencrantz e Guildenstern levem Hamlet para a Inglaterra. Cláudio preparou cartas dizendo ao rei inglês para matar Hamlet quando ele chegar.

Dizem a Gertrude que Ophelia enlouqueceu com a notícia da morte de seu pai. Ophelia entra, canta várias canções estranhas e fala da morte de seu pai, insinuando que seu irmão Laertes se vingará. Logo, Laertes entra e exige Polonius. Quando Cláudio diz a Laertes que Polônio está morto, Ofélia entra com um ramo de flores, cada uma simbólica. Laertes, chateado com o estado de sua irmã, promete ouvir a explicação de Cláudio.

Um mensageiro se aproxima de Horatio com uma carta de Hamlet. A carta explica que Hamlet esgueirou-se para um navio pirata que os atacou; depois que se separaram, os piratas concordaram misericordiosamente em levá-lo de volta à Dinamarca em troca de alguns favores. Enquanto isso, Cláudio convenceu Laertes a se juntar a ele contra Hamlet.

Um mensageiro chega com uma carta para Claudius de Hamlet, anunciando seu retorno. Cláudio e Laertes rapidamente planejam como matar Hamlet sem perturbar Gertrude ou o povo da Dinamarca, com quem Hamlet é popular. Os dois homens concordam em organizar um duelo. Laertes adquire uma lâmina envenenada, e Cláudio planeja dar a Hamlet um cálice envenenado. Gertrude entra com a notícia de que Ophelia se afogou, reacendendo a raiva de Laertes.

Ato V

Enquanto cavavam o túmulo de Ophelia, dois coveiros discutem seu aparente suicídio. Hamlet e Horatio entram, e um coveiro o apresenta a uma caveira: Yorick, o bobo da corte do velho rei que Hamlet amava. Hamlet considera a natureza da morte.

A procissão fúnebre interrompe Hamlet; Cláudio, Gertrude e Laertes estão entre a comitiva. Laertes pula no túmulo de sua irmã e exige ser enterrado vivo. Hamlet se revela e briga com Laertes, exclamando que amava Ofélia que mais de quarenta mil irmãos podiam. Após a saída de Hamlet, Cláudio lembra Laertes de seu plano de matar Hamlet.

Hamlet explica a Horatio que ele leu as cartas de Rosencrantz e Guildenstern, reescreveu uma que exigia a decapitação de seus antigos amigos e trocou as cartas antes de escapar no navio pirata. Osric, um cortesão, interrompe as notícias do duelo de Laertes. Na corte, Laertes pega a lâmina envenenada. Após o primeiro ponto, Hamlet recusa a bebida envenenada de Cláudio, da qual Gertrude toma um gole. Enquanto Hamlet está desprotegido, Laertes o fere; eles lutam e Hamlet fere Laertes com sua própria lâmina envenenada. Nesse momento, Gertrude entra em colapso, exclamando que ela foi envenenada. Laertes confessa o plano que ele compartilhou com Cláudio, e Hamlet fere Cláudio com a lâmina envenenada, matando-o. Laertes pede perdão a Hamlet e morre.

Hamlet pede que Horatio explique sua história e declara Fortinbras o próximo rei da Dinamarca, depois morre. Fortinbras entra, e Horatio promete contar a história de Aldeia. Fortinbras concorda em ouvi-lo, declarando que Hamlet será enterrado como soldado.


Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos